Análise CPCI: Incidente com minas terrestres mata 2 jornalistas

O Centro de Pensamento Caucasiano-Ibero-americano – CPCI condenou a morte dos jornalistas azerbaijanos Siraj Abishov e Maharram Ibrahimov, ocorrida em 4 de junho no distrito de Kalbajar (Azerbaijão).

O incidente ocorreu em 4 de junho no distrito de Kalbajar, em território azerbaijano libertado, e três pessoas foram mortas.
A tragédia ocorreu quando um carro com civis a bordo atropelou uma mina antitanque colocada pelas forças armadas armênias na região de Kalbajar, no Azerbaijão.

Os mortos são o jornalista Maharram Ibrahimov da Agência de Notícias do Estado do Azerbaijão, o cinegrafista de televisão do Azerbaijão Siraj Abishov e o representante adjunto do chefe da Autoridade Executiva do distrito de Kalbajar na aldeia de Susuzlug, Arif Aliyev. Também quatro pessoas ficaram gravemente feridas.

No apelo da CPCI à mídia de língua espanhola, foi insistido que a Armênia ignorou as demandas persistentes de mapas de minas terrestres plantadas por suas Forças Armadas nos territórios libertados do Azerbaijão. Em outras palavras: a Armênia não está fornecendo mapas de campos minados ao Azerbaijão, apesar das repetidas exigências de Baku.

O Centro do Pensamento Caucasiano-Ibero-americano acrescentou que não se trata apenas de um atentado à vida de civis, mas também de um ato declarado de terrorismo contra a liberdade de expressão e as atividades dos jornalistas.
Esta tragédia mostra que a Armênia continua com sua política insidiosa na região, realizando várias operações de colocação de minas nos territórios libertados do Azerbaijão. Portanto, na região existe uma grave ameaça à vida de civis e representantes da mídia, que exercem suas funções oficiais. Esta situação preocupa muito a todos.

Vários tipos de minas e outros artefatos explosivos, antes plantados pela Armênia, já causaram dezenas de mortos e feridos. Além disso, o trágico incidente que levou à morte de Maharram Ibrahimov e Siraj Abishov demonstra claramente que os territórios minados tornam a atividade jornalística difícil, restritiva e perigosa.

Além disso, o Coronel do Exército Armênio Koryun Gumashyan observou que o Exército Armênio colocou Kalbajar e Lachin com um grande número de minas antipessoal.

Recorde-se que, anteriormente, foi detido um grupo de soldados arménios que entrou no território do Azerbaijão em direcção a Kalbajar com o objetivo de efetuar uma sabotagem. Isso mostra, mais uma vez, que o lado armênio continua a colocar em risco a vida e a segurança de militares e civis, contribuindo assim para o agravamento das tensões na região. Este comportamento da Armênia continua sendo o principal obstáculo à paz, segurança e cooperação na região. A Armênia é totalmente responsável por civis azerbaijanos serem vítimas de minas antipessoal em serviço.

Mais de 120 pessoas foram mortas ou feridas como resultado de minas e outros artefatos explosivos colocados pela Armênia durante os 7 meses após o fim da guerra.

Do Centro de Pensamiento Caucásico-Iberoamericano expressamos nosso profundo pesar pela morte dessas pessoas. Queremos enviar nossas condolências às suas famílias.

É importante destacar que funcionários de ambos os meios de comunicação estiveram em Kalbajar justamente para realizar suas atividades como jornalistas.

CENTRO DE PENSAMENTO CAUCASIANO-IBERO-AMERICANO

um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s