Análise: QazVac e o desenvolvimento científico do Cazaquistão

Por João Zimmer Xavier¹

Em momentos de grande dificuldade, em especial em uma pandemia de escala colossal, o desenvolvimento científico é colocado a prova. Vacinas foram feitas em período recorde por grande potências de recursos técnicos e humanos desenvolvidos por muito tempo. Mas nessa época de incertezas , o desenvolvimento de uma tecnologia nacional é extremamente importante para a segurança e saúde de uma nação. E foi esse o grande feito do Cazaquistão: a QazVac.

Uma vacina de vírus inativado (semelhante a CoronaVac e Covaxin) desenvolvida pelo Instituto de pesquisa e Biossegurança do Cazaquistão, sediado em Almaty. De acordo com fontes governamentais a expectativa é em breve uma produção de 500 a 600 mil doses mensais, o que em conjunto com as outras vacinas compradas pelo governo do presidente Kassym-Jomart Tokayev, com destaque para a Sputnik V, produzida localmente com tecnologia russa, fazem com que a população possa ser vacinada com uma maior eficácia e em menor tempo possível.

A princípio, as primeiras doses e as seguintes (no momento cerca de 50 mil doses produzidas) serão para distribuição local, porém com essa expansão esperada de capacidade, pode ser um marco no campo científico de toda região, além de eventualmente colaborar com a vacinação dos países vizinhos.

A primeira vista podemos ver como “apenas” um desenvolvimento específico da ciência do país, porém um avanço desse nível projeta o Cazaquistão como um player relevante no campo das ciências biológicas, dialogando com a comunidade acadêmica de igual para igual, facilitando cooperações com os países próximos (Russia e China principalmente) e nos trazendo importantes reflexões para a ciência brasileira, que começa a desenvolver a sua vacina porém com muitas barreiras (técnicas, políticas e burocráticas).

Outra lição de um grande avanço desse para nossa nação é a visão de Estado e não uma visão de governo, onde o antigo presidente Nursultan Nazarbayev e seu sucessor Kassym-Jomart Tokayev compartilham, com grandes projetos de longo prazo para o desenvolvimento nacional e redução da dependência externa. A nação de grandes reservas de petróleo e gás busca a diversidade na produção, e a pesquisa científica pode contribuir muito com novas fontes de renda e desenvolvimento.

QazVac Fonte: AstanaTimes

1- João Zimmer Xavier é Mestre em Ciência Política e Diretor geral do Espaço Cáspio

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s